SF – Perfis – Mesa Diretora

Presidente

Rodrigo Pacheco (PSD/MG)

Rodrigo Pacheco é advogado criminalista, tem 46 anos e exerce o seu primeiro mandato como senador. Anteriormente, foi deputado federal, membro do Conselho de Criminologia do Estado de Minas Gerais durante quatro anos e auditor do Tribunal de Justiça Desportiva mineiro, além de professor universitário. Como deputado, participou de importantes discussões na Câmara, votando favoravelmente ao processo de Impeachment de Dilma Rousseff, à PEC do Teto dos Gastos Públicos e à Reforma Trabalhista. Em 2016, disputou a Prefeitura de Belo Horizonte, ficando em terceiro lugar, dando apoio à candidatura de João Leite (PSDB) no segundo turno. Enquanto senador, votou contra o Decreto das Armas do governo, que flexibilizava porte e posse para o cidadão. Em 2021, foi indicado pelo seu partido para disputar a Presidência do Senado e foi eleito com 57 votos, derrotando Simone Tebet (MDB-MS), com apoio tanto do governo quanto da oposição. Em 2021, foi indicado pelo seu partido para disputar a Presidência do Senado e foi eleito com 57 votos, derrotando Simone Tebet (MDB-MS), com apoio tanto do governo quanto da oposição. Em 2023, candidato à reeleição na casa, recebeu apoio do presidente Lula, mas sofreu dificuldades e resistência dos aliados do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que apostaram na candidatura de Rogério Marinho (PL/RN).

1º Vice-Presidente

Veneziano Vital do Rego (MDB/PB)

Veneziano Vital do Rêgo é advogado, tem 52 anos e exerce pela primeira vez o mandato de senador da república. Anteriormente, foi deputado federal. Foi eleito vereador de Campina Grande pela primeira vez em 1996 e Prefeito duas vezes consecutivas da mesma cidade, em 2004 e 2008. É filho da ex-deputada federal Nilda Gondim, e irmão do ex-senador da república e atual Ministro do Tribunal de Contas da União, Vital do Rêgo Filho. Em 2022, foi candidato ao governo da Paraíba ficando em 4º lugar. Veneziano foi eleito 1º vice-presidente do Senado em 2021 e recentemente, foi anunciado como novo presidente da Frente Parlamentar de Recursos Naturais e Energia, no lugar então ocupado por Jean Paul Prates, que deixou seu mandato no Senado Federal para assumir a presidência da Petrobras. Veneziano dará continuidade em articulações, debates e outras iniciativas a respeito de políticas públicas e medidas que estimulem o uso sustentável de recursos naturais e a geração e o consumo de energia.

2º Vice-Presidente

Rodrigo Cunha (União/AL)

Rodrigo Cunha é advogado, tem 41 anos e cumpre seu primeiro mandato como senador da república. Anteriormente, foi deputado estadual de Alagoas. É um dos associados ao movimento Livres, de viés liberal/libertário. É também filho da ex-deputada federal assassinada Ceci Cunha. Em 2019, Rodrigo votou contra o Decreto das Armas do governo, que flexibilizava porte e posse para o cidadão e em 2021, foi eleito presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado. Rodrigo Cunha tem uma trajetória em defesa do direito do consumidor, foi Superintendente do Procon de Alagoas, além de autor de diversos projetos sobre a temática. Ele também assumiu uma série de relatorias de projetos de lei que tratam desde o cadastro positivo até a regulamentação do telemarketing.

1º Secretário

Rogério Carvalho (PT/SE)

Rogério Carvalho é médico e professor universitário, tem 54 anos e exerce o primeiro mandato como senador. Possui especialização em gestão hospitalar, mestrado e doutorado em Saúde Coletiva na Unicamp. Ligado a entidades representativas dos médicos, iniciou sua carreira política nos movimentos estudantil e sindical. É filiado ao PT desde 1990 e já foi deputado federal, deputado estadual, secretário municipal de Saúde de Aracaju e Secretário de Estado da Saúde do Sergipe. Defende a ampliação e exploração do Pré-sal como alternativa para o desenvolvimento econômico do seu estado. Nas eleições de 2022, Rogério foi candidato a governador de Sergipe e perdeu no segundo turno. Rogério integrou o grupo de transição de Desenvolvimento Regional.

2º Secretário

Weverton (PDT/MA)

Weverton Rocha é administrador, tem 43 anos e exerce o primeiro mandato como senador da república. Anteriormente, foi deputado federal por dois mandatos. Foi secretário geral e diretor regional do partido no Maranhão, assessor especial da prefeitura de São Luís, secretário Extraordinário da Juventude do Estado, secretário de Estado de Esporte e Juventude do Governo do Maranhão e assessor especial do Ministério do Trabalho e Emprego. Como deputado, integrou a Frente que busca regular a Cobrança do SPU em terrenos de Marinha (bitributação). No Senado, é líder do PDT e defende as pautas trabalhistas, sociais, de energia e saúde. Em 2022, Weverton foi candidato ao governo do Maranhão e ficou em 3º lugar na disputa.

3º Secretário

Chico Rodrigues (PSB/RR)

Chico Rodrigues é engenheiro, tem 71 anos e cumpre seu primeiro mandato como senador da república. Foi Secretário de Agricultura no governo de Arídio Martins de Magalhães (1983-1985), vereador de Boa Vista (RR), deputado federal, vice-governador e governador de Roraima. Defende a proposta de interligar Roraima ao Sistema Nacional de Energia. Já passou por diversos partidos além do atual, incluindo PTB, MDB, PP e PSDB, DEM. No União Brasil, Rodrigues foi vice-líder do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e, inclusive, chegou a empregar em seu gabinete, o sobrinho de Jair, Léo Índio. Em janeiro, Rodrigues esteve no Palácio do Planalto para se encontrar com o então ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha e definiu a sua filiação ao PSB.

4º Secretário

Styvenson Valentim (Podemos/RN)

Styvenson Valentim tem 45 anos, é natural de Rio Branco e policial militar. Atualmente cumpre seu primeiro mandato como senador. Ficou conhecido pela rigidez na coordenação da lei seca no Rio Grande do Norte. Como bandeiras de atuação, elencou as áreas da educação, saúde e segurança pública como prioritárias. Propôs o PL 3113/2019, que exige dos interessados na aquisição de posse ou porte de arma de fogo que apresentem obrigatoriamente resultado negativo em exame toxicológico. Na época, o projeto foi duramente criticado pelo governo, por dificultar ainda mais o acesso dos cidadãos as armas de fogo. Recentemente, Styvenson não ficou confortável com a possibilidade do PODEMOS integrar o governo do presidente Lula no Congresso Nacional e declarou que se isso se concretizar, ele irá se desfiliar do partido.

Os suplentes de secretário ainda não formal eleitos.

Saiba mais sobre o início da 57ª Legislatura.

Elaborado pela Equipe da Umbelino Lôbo em 01/02/2023. Última atualização: 02/02/2023

compartilhar

Ir para o conteúdo