Julho – Panorama da Disputa Presidencial

Às vésperas da data que marcará o início do período de convenções partidárias e a pouco menos de três meses do primeiro turno das eleições que definirá quem chefiará o Brasil pelos próximos quatro anos, a disputa segue polarizada entre o Presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Lula (PT). E tomando como base números das pesquisas eleitorais mais recentes, esta deverá ser a tendência.

O primeiro pré-candidato a confirmar sua candidatura à Presidência da República será Ciro Gomes (PDT). A convenção do partido será realizada nesta quarta-feira (20). Até o momento, Ciro se mantém consolidado em terceiro lugar na preferência dos eleitores. Contudo, Ciro enfrenta obstáculos para consolidar apoio à sua chapa. O PDT não conseguiu construir alianças nacionais e conta com poucos apoios nos estados. Este cenário se reflete na dificuldade de definição de um nome para a posição de vice. Ao que tudo indica, com o panorama que se desenha, o PDT deverá repetir a estratégia utilizada em 2018 e indicar um nome da própria legenda para compor a chapa. A perspectiva é que Ciro não anuncie seu vice durante a convenção e essa indicação provavelmente ocorrerá próximo ao encerramento do período para convenções, em 05 de agosto.

Na sequência, na quinta-feira (21), o PT deverá confirmar o nome do ex-presidente Lula como candidato da legenda à Presidência da República. Havia a expectativa de um grande evento para o lançamento oficial da chapa. Todavia, a perspectiva é que esta semana ocorra apenas um ato protocolar de formalização da chapa, com a presença da executiva nacional do PT. Isto porque Lula cumpre, esta semana, agenda em Pernambuco. No final de julho, deverá ocorrer reunião oficial do PSB para formalizar a indicação de Geraldo Alckmin como vice na chapa de Lula.

Atualmente, Lula figura como líder nas pesquisas eleitorais e deverá agregar o maior número de apoios na aliança nacional. Já confirmaram apoio à candidatura do ex-presidente, além do PSB, PCdoB, Solidariedade, PSOL, PV e Rede. Confirmada a coligação, a expectativa é que Lula disponha do maior tempo de exposição na TV. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anunciará oficialmente em agosto o tempo de TV dos candidatos.  

No domingo (24), será a vez do Presidente Jair Bolsonaro oficializar sua candidatura à reeleição. O evento ocorrerá no Rio de Janeiro (RJ) e deverá marcar a indicação do General Braga Netto como candidato a vice-presidente. Braga Netto, também é um dos coordenadores políticos da campanha do Presidente e deverá cumprir o papel de interlocutor entre a comunicação da campanha e o núcleo político mais próximo do Presidente. Nos últimos dias o ex-ministro da Defesa participou de reuniões para auxiliar na estratégia de comunicação da campanha de Bolsonaro. O foco será a tentativa de reverter a percepção de alguns grupos de eleitores onde se concentram os maiores índices de rejeição ao Presidente.

O Presidente permanece em segundo lugar nas pesquisas eleitorais. A expectativa de sua campanha é que as recentes aprovações de proposições legislativas que ampliam benefícios sociais melhorem a avaliação do eleitorado à gestão do Presidente e ao Governo. Porém, a campanha do Presidente corre contra o tempo, já que o calendário de pagamento dos novos valores do Auxílio Brasil e de benefícios a categorias como caminhoneiros e taxistas deve começar apenas em meados de agosto. E o primeiro turno das eleições ocorrerá em dois de outubro.

Em 27 de julho o MDB poderá oficializar a indicação da Senadora Simone Tebet (MS) para concorrer á Presidência. A candidatura da Senadora, todavia, ainda esbarra em resistências internas, além da dificuldade de confirmar um nome para vice. O nome mais cotado para ocupar a vaga é o Senador Tasso Jereissati (PSDB/CE). Entretanto, apesar de o PSDB (federado com o Cidadania) ter declarado apoio à candidatura de Simone Tebet, desacordos nas alianças estaduais obstaculizam a consolidação da aliança nacional.

Internamente, no MDB, a candidatura de Simone, igualmente, enfrenta problemas. Nos últimos dias, um grupo de lideranças do partido, em grande parte nomes do Norte e Nordeste, declararam apoio à candidatura de Lula já no primeiro turno. O movimento ocasionou embaraços ao MDB. Em contraponto, outra ala do partido, incluindo o presidente da legenda, Deputado Baleia Rossi (SP), divulgou manifesto de apoio à candidatura da Senadora, documento assinado por representante de 19 diretórios estaduais.

O mesmo grupo que apoia adesão à candidatura de Lula defende a postergação da data da convenção, que ocorreria, inicialmente, de forma virtual. Este grupo encampa a ideia de o encontro ocorrer de forma presencial para que todas as correntes da sigla possam se manifestar e votarem sobre o lançamento de nome próprio para a disputa nacional.

Embora a tendência seja pela formalização da candidatura de Simone Tebet, é possível imaginar cenário adverso à Senadora, com dificuldades garantir palanques, sobretudo nas regiões Norte e Nordeste

Por fim, importa destacar que o União Brasil deverá formalizar em cinco de agosto a candidatura de Luciano Bivar. Uma vez confirmada a candidatura, será a segunda tentativa de Bivar de chegar ao Palácio do Planalto. Apesar de praticamente não pontuar em pesquisas de intenção de voto, Luciano Bivar é presidente do partido com mais recursos do Fundo Partidário e deverá contar com o terceiro maior tempo de exposição em propagandas eleitorais na TV. Mesmo sem anúncio oficial, o nome mais cotado para vice na chapa de Bivar é a Senadora Soraya Thronicke, presidente do União Brasil em Mato Grosso do Sul.

Elaborado pela equipe da Umbelino Lobo Assessoria e Consultoria em 19/07/2022.

compartilhar

Ir para o conteúdo